Revista Bonijuris

#656
Fev/Mar 2019

Quem tem medo do lobby?

Assine a Bonijuris

Leia nossas edições em versão digital, onde e quando quiser

Já é assinante? ENTRAR

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Quem tem medo do lobby?

AS DUAS FACES DO LOBBY
Os brasileiros podem fingir que o lobby não existe no país, mas ele existe. A atividade não está regulamentada e há 30 anos desenha-se um projeto para que, enfim, o lobista seja reconhecido oficialmente na lista de profissionais. A questão é que a aprovação de proposta com esse teor vem esbarrando no Congresso Nacional a cada vez que entra na pauta (na última ocasião em regime de urgência, ou seja, ‘furando a fila’ de outros itens que deveriam ser votados). Porém naufraga no burburinho, no conflito e no atrapalho típico dos 513 parlamentares, vistos corriqueiramente aglomerados à frente da mesa da presidência ou zanzando, inquietos, entre os corredores e as fileiras de cadeiras. Raro é vê-los sentados.
A resistência à regulamentação do lobby, que ganhou o nome de relação institucional e governamental para não espantar aqueles que veem a atividade como uma serviçal do malfeito, tem motivações alegadamente eleitoreiras. As respectivas bases de deputados e senadores teriam demonstrado rejeição à prática. No entanto, não há pesquisa que confirme isso. O que leva a inferir que parlamentares rejeitam a regulamentação por duas razões: 1) temem prejuízo eleitoral com a divulgação às claras da relação entre grupos de pressão (empresas privadas, sindicatos, ativistas) e agentes políticos. 2) Ignoram o que vem a ser lobby na acepção da palavra. Há nove em dez chances de que o amigo do deputado que trabalha em uma concessionária de rodovias é lobista. O deputado pode não saber disso, mas o lobista sabe.
Os Estados Unidos tem a legislação de lobby mais antiga do mundo – data de 1946, quando o país instituiu o Lobby Act – mas ela é aperfeiçoada continuamente. Justamente para garantir a transparência, a igualdade de ações e a devida publicidade. Lobistas são cadastrados e fiscalizados regularmente. Empresas de lobby idem. Se cometerem ilícitos podem ser penalizadas e as sanções vão de brandas a rigorosas, o que significa, no último caso, em perda de licença.
Na seção “artigo de capa” desta edição, o advogado criminalista gaúcho, Carlo Velho Masi, reflete sobre a utilidade do lobista e do lobby lícito como instrumentos democráticos de representação de interesses. 
O lobby pode dar voz a “grandes causas” (o desenvolvimento sustentável e o combate à corrupção, por exemplo) além de refinar a opinião pública convidando-a a participar de debates de interesse da coletividade, distribuídos em várias frentes, não apenas no parlamento. Claro que se fala do lobby lícito. O outro, aquele que representa o lado escuro e a ilegalidade já são conhecidos. Cabe à sociedade diferenciar o jogo de interesses legítimos dos laboratórios de medicamentos e mesmo da indústria de armamentos quando a proposta junto ao agente político é apresentada em bases legais e transparentes. A esse respeito, em entrevista na mesma seção, o advogado Murilo Jacoby Fernandes diz que um indicador favorável ao lobby seria a identificação dos parlamentares com aqueles que o elegeram. Os evangélicos, os ruralistas, a indústria de petróleo e gás, o agronegócio, os sindicatos, as ONGs, os militares, os delegados. “Nada disso deveria ser omitido na informação, inclusive da imprensa”, afirma.
A discussão, portanto, está na pauta. Se não na do parlamento, ao menos na da sociedade civil.
***
Por fim, duas datas que gostaríamos de destacar neste número da Revista Bonijuris. 1º) Com a edição de fevereiro / março, a publicação completa um ano em seu novo formato. Designer gráfico ousado, capas conceituais, conteúdo abrangente, 280 páginas em edição bimestral e roupagem jornalística foram o destaque desses novos tempos da publicação. O resultado é uma tiragem que alcançou 3.400 exemplares, ampliou a base de assinantes e ganhou circulação dirigida em todo o território brasileiro.
A outra data tem relevância histórica. Em 2019, a publicação jurídica especializada completa 30 anos com uma edição especial de aniversário. É hora de comemorar.