Artigos

Direito da moda e homewear: o novo ‘collab’ da quarentena

Conhecido como "roupa para ficar em casa", o homewear está em ascensão por causa da necessidade do trabalho à distância.

Collab é um termo usado na moda para definir parcerias entre marcas, estilistas, designers, que se associam para o lançamento de um produto. Chamado também de o “X” da moda, o collab cresceu muito no Brasil e no mundo. Parcerias de sucesso podem ser lembradas entre alta costura e fast fashion: Riachuelo x Versace, Karl Lagerfeld x Falabella, Supreme x Louis Vuitton, dentre outros.

O homewear, que ganhou visibilidade nas últimas décadas, pode ser o segmento mais afeito a esse momento de quarentena pelo novo coronavírus. É a moda como expressão criativa daquilo que se vê na sociedade, no comportamento das pessoas. Conhecido como “roupa para ficar em casa”, o homewear está em ascensão por dois motivos: para atender àqueles que já usavam para ficar em casa para um momento de descanso ou relaxamento, nos finais de semana, e, mais recentemente, para o trabalho à distância, teletrabalho ou, como é chamado, para o home office, que se intensifica nesse momento em razão da quarentena. A coleção de uma marca é definida como um balanço entre o que os consumidores desejam e os recursos dos novos modelos, escolhidos para cobrir diferentes ocasiões e gamas de produtos.

Como exemplo do que desejam os novos consumidores do mercado de moda, temos a geração dos millenials (adulto do ano 2000) e a geração Z (o nascido no séc. XXI), como tratamos em nosso livro Fashion law — Direito da Moda (editora Almedina, 2019). São gerações que buscam uma moda prática, sustentável, confortável e atemporal, que atendam às suas necessidades de vida, de estudo e de trabalho num mundo globalizado, tecnológico e digital. As marcas podem ter uma gama diversa de produtos e associadas a diversas ocasiões. São exemplos disso, as coleções permanentes de primavera-verão e outono-inverno, mas também as coleções intermediárias (como a Resort ou Cruise) e as coleções cápsulas.

As coleções Resort ou Cruise são uma linha que foi desenvolvida pelas marcas entre as coleções tradicionais, para atender consumidores que desejavam uma roupa para viajar à praia, fazer um cruzeiro, passar férias em resorts.

Nas coleções cápsulas, as marcas criam mini coleções, que não dependem da identidade da coleção principal e que podem estar associadas a ocasiões ou datas especiais, como o Carnaval, o Dia das Mães (coleções mãe e filha).

Como se vê, muitas são as estratégias utilizadas hoje, como as parcerias acima comentadas, mas também os lançamentos relâmpagos, o fenômeno do See now buy now, as edições limitadas de produtos, dentre outras. A marca IKEA, líder mundial no setor de móveis e artigos para casa, decidiu criar roupas masculinas, desenvolvidas por um estilista inglês, com os tecidos de lençóis que já comercializava. Após o atentado de 11 de setembro, as macrotendências de moda voltaram-se para o patriotismo, com símbolos nacionais nas roupas e o uniforme militar, trazendo como tendência até mesmo uma nova forma de filosofia hippie, no velho modelo do “faça amor, não faça a guerra”.

Após a pandemia de H1N1, de 2009, houve uma tendência de customização. Este conceito, segundo Camila Dias (As influências das tendências de moda) refletiu-se, por exemplo, “na customização feita nas máscaras utilizadas para a contenção da pandemia”, conhecida como gripe suína. A moda adotou, também, segundo relata Camila, mecanismos de releitura, relacionadas à ligação entre passado e futuro, ou seja, o confronto entre o antigo e a tecnologia vigente, o tempo das máquinas, da agilidade, da alienação, dos encontros virtuais, de vidas guiadas pela rede de comunicação global. Hoje, muitas marcas podem valer-se do novo segmento do homewear para atender à grande demanda de home office ou de trabalho à distância, que o mundo todo passou a praticar intensamente no período de quarentena pela pandemia do novo coronavírus.

Os fatos dizem por si…Mas só a parceria pode ser contagiante!

*Renata Domingues Balbino Munhoz Soares é coordenadora do curso de Pós-Graduação em Direito da Moda da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

FOTO AGÊNCIA BRASIL EBC

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

A crença em lobisomens

Prestes a confirmar o diagnóstico do ministro do STF, Marco Aurélio Mello, de que seria natirmorto, o inquérito das fake news completa o prazo de investigação sem notícias à vista. O jurista René Ariel Dotti diz que só o STF poderia conceber inquérito tão descabido. Por isso ele “acredita em lobisomens”