Verdades mentirosas do processo criminal ou Sustentando o impossível

Certa feita, um juiz, no intervalo de uma audiência, amável, resolveu puxar uma prosa:

— Doutor, uma curiosidade, como é saber a verdade sobre uma conduta criminosa e vir a uma audiência sustentar o impossível?

Claramente me chamou de mentiroso, entretanto, nem me despenteei, olhando de soslaio, com a cara mais jocosa que tinha para o momento, falei com um sorriso gaiato de canto de boca:

— Excelência, se já tem esse conceito, irá aplicá-lo também em sua decisão, logo, estamos aqui a encenar, fingir um devido processo legal… Somos atores de um enredo mentiroso! Fazemos de conta!

O magistrado engoliu o resto de café num só gole e não consegui argumentar, saindo de perto à francesa.

Meu cliente foi condenado e consegui reformar a decisão do juiz no tribunal!

O processo criminal é uma grande mentira, e após certa militância na seara afirmo com segurança:

“Do boletim de ocorrência à sentença, o mais verdadeiro no feito é o advogado criminalista!

A bem da verdade, o defendente é um grande gestor de mentiras convenientes!”

*Greg Andrade é advogado.

FOTO AGÊNCIA BRASIL EBC

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Todo o poder aos estados: entes federados têm autonomia sobre saúde

O que os governos estaduais não podem fazer? Não podem impedir o tráfego aéreo e determinar o fechamento de aeroportos. Estes são serviços de competência do governo federal. Caso a autoridade local insista, a União está autorizada a usar força policial.
>>> Presidente da OAB do Paraná, Cassio Telles diz que a hora não é de ‘gracejos e especulações’.

Fechar Menu
×

Carrinho

Fechar