Uma homenagem a Dotti em 130 páginas

A Editora Bonijuris lança em agosto uma edição especial (Separata) em homenagem ao professor e jurista René Ariel Dotti, falecido nos primeiros meses de 2021, aos 86 anos. O projeto, em princípio, tinha dimensões modestas. Seria uma edição enxuta de 36 páginas que seguiria anexada à Revista Bonijuris e destinada apenas aos assinantes.

Quase-livro

O interesse despertado pela Separata, entretanto, atraiu colaboradores de todo o país e o resultado é uma brochura de 130 páginas com tiragem de cinco mil exemplares, distribuídos parte juntamente com a Revista Bonijuris, parte a ser comercializada em separado.

Notáveis

Entre os que assinam artigos estão nomes como Miguel Reale Jr., Luiz Edson Fachin, Eros Grau, Marco Aurélio Mello, Ives Gandra Martins, Jacinto Miranda Coutinho, Cassio Telles (OAB-PR), Gilberto Giacoia, Clèmerson Clève, Rogéria Dotti e Tarcísio Araújo Kroetz (presidente do IAP).

Ary Fontoura

A Separata traz, ainda, entrevista inédita com o professor René Dotti, provavelmente uma das últimas que concedeu, uma coletânea de citações que vão de A a Z, além de comovente artigo do ator Ary Fontoura, que foi colega de Dotti no Colégio Estadual do Paraná e fundou com ele uma companhia de teatro.

Ziraldo

Um cartum-agradecimento de Ziraldo estampa as páginas centrais. O cartunista carioca foi cliente do escritório, em 2012, quando se viu enredado em uma acusação que depois verificou-se infundada.

A Justiça tarda

Pesquisa publicada pelo Datafolha acerca da advocacia, mostra que a principal dificuldade enfrentada para o exercício da profissão não é a crise sanitária, mas a morosidade da Justiça.

País de advogados

Um terço dos advogados (32%) aponta esse problema como o principal entrave na condução de seu trabalho; 16% citam a pandemia e 12% as dificuldades do mercado num país de 1,3 milhão de causídicos.

Mais números

Em 2019, segundo estudo do CNJ, o tempo médio de duração dos processos criminais na 1ª instância foi de 4 anos. Quanto aos processos civis duram, em média, 2 anos e 7 meses. Os trabalhistas 1 ano e 4 meses. Sempre no primeiro grau.

Fundo eleitoral

Um dia os ministros do STF se arrependeram por julgar inconstitucional a cláusula de barreira que impediria a sopa de letrinhas partidária, ora vigente. Pois o arrependimento deve estar batendo à porta novamente com a possibilidade de o Legislativo triplicar o fundo eleitoral – de 2 para 6 bilhões de reais.

Para recordar

Foi o STF quem, em 2015, tomou a decisão de proibir as doações de empresas para campanhas eleitorais abrindo assim a porteira para a instituição de um fundo público. Deu no que deu.

Coluna publicada no Diário Indústria e Comércio 21 de julho de 2021

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

A rachadinha institucionalizada

Não é de hoje que a prática ilícita grassa no mundo legislativo livre, leve e solta. Sem distinção partidária ou tintas ideológicas.

Bolsonaro ameaça com estado de exceção

Não é de admirar que Bolsonaro não saiba que o presidente do STF não integra o Conselho da República. Como disse um jurista, a ignorância do mandatário transcende o céu e o inferno.

Raquel Dodge foi um ponto fora da curva

Em 16 de abril de 2019, ex-PGR enviou ofício a Alexandre de Moares, informando-o de sua decisão de arquivar o inquérito das fake news. O ministro do STF não deu ouvidos.