Texto sem mesóclise é texto pobre

Mesóclise é a colocação do prenome no meio do verbo, é o pronome entremeado no verbo, usável no futuro: dar-lhe-ei, poder-se–a, fá-lo-ia, e não: lhe darei, se poderá, o fará.

Escritores e escrevinhadores brasileiros ou têm preconceito contra a mesóclise ou a ignoram, como a ignora a maioria dos estudantes (até de direito). Sequer sabem que existe.

Texto em que predominam próclises (“se considerará”, “o faremos”), em que há raras ênclises (“reduz-se”, “pode-se”) e nenhuma mesóclise, é texto pobre. Autor que não sabe a mesóclise é autor pobre; autor que tem vício de próclise é autor pobre.

QUEM ESCREVE SEM MESÓCLISE, ESCREVE TEXTOS POBRES. QUEM NÃO A SABE USAR NEM A ÊNCLISE, É AUTOR DE SEGUNDA CATEGORIA.Próclise em lugar de mesóclise é HORRÍVEL (“se poderá”, “o venderei”).Se gostou, compartilhe.MESÓCLISE PEDANTE ?

O apodo de “pedante”, aplicado à mesóclise ou a mim, por preconizá-la, é revelador do estado de coisas no âmbito do uso dos recursos do idioma no Brasil. A mesóclise é recurso obrigatório em dados contextos; ela introduz variedade plástica e sonora; é riqueza e beleza de nosso idioma, existente há séculos.

Porém algumas décadas de: 1) negligência no ensino do idioma, 2) sociolingüística, 3) exaltação do desleixo (“pode falá de qualqué jeito mais tem que escrevê direitinho”) e, finalmente 4) preguiça, opção pelo mais fácil, resultaram no desuso da mesóclise e na mentalidade de que a mesóclise é pedante.

Parte do etos e do “pathos” da mediocridade nela se concentra e ela o revela; etos e “pathos” em que a mesóclise “pedante” é apenas indício de realidades muito maiores: analfabetismo cultural da maioria de nossos universitários, inutilidade da maioria da produção universitária brasileira, cacoetes e vícios inúmeros nas comunicações vulgares, português mal falado e abundantes brasileiros cuja capacidade de comunicação é incapaz de elevar-se por sobre a média, rasa, de seus conterrâneos. E, claro, quando escrevem, é de lamentar, o que inclui gente jurídica.

Se devesse qualificar com uma palavra este estado de coisas, diria: reles. Se devesse empregar uma palavra para adjetivar o rumo do idioma que levou à sua qualificação, diria: involução, sinônimo de empobrecimento. O pessoal jurídico também não sabe usar a mesóclise e mal a ênclise.

Quando recurso bonito, correto, enriquecedor e até obrigatório do idioma passa por pedantismo, há algo de errado, não com o recurso nem com o idioma que usamos e sim com quantos o julgam por esta forma.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Três falhas constitucionais

Davi Alcolumbre, sozinho, pode barrar a indicação do chefe do Executivo para uma vaga na instância máxima do Judiciário. Trata-se de uma falha na Constituição. E há outras duas.

Prisão em contêiner é um paraíso

Está nas mãos da Segunda Turma do STJ uma decisão para lá de sui generis: apreciar se contêineres, cuja destinação original é comportar cargas e produtos, serviria também para acomodar presos. O tribunal de Santa Catarina entende que sim.

A celeuma da publicidade na advocacia

Advogado do Distrito Federal entrou com ação contra a OAB questionando a legalidade do provimento 205/21 no que diz respeito à ostentação nas redes sociais.