Presente do subjuntivo: que seja útil

— Existe alguma regra que se refere ao uso do presente do subjuntivo que seja específica para orações subordinadas? Marion Pinto, Florianópolis/SC


A própria origem da palavra subjuntivo (do latim subjunctivus – que serve para ligar, para subordinar) indica sua função principal. O subjuntivo é por excelência o modo utilizado nas orações subordinadas que dependem de verbos cujo sentido esteja ligado à ideia de ordem, proibição, desejo, vontade, necessidade, condição e outras correlatas.


O uso do subjuntivo implica, em qualquer caso, uma probabilidade, uma não-concretização – ainda – de alguma coisa. Observe duas frases com a mesma construção:


. Temos lideranças que contribuem para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. [o verbo da oração principal é TER, portanto já existem tais líderes, o que implica o uso do modo indicativo na oração subordinada]


. Queremos formar lideranças que contribuam para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. [aqui estamos na fase de QUERER: ainda não temos esses líderes, daí o uso na oração subordinada do subjuntivo “contribuam”]


Exemplos de uso do PRESENTE do subjuntivo


Para exprimir ordem, proibição, desejo, vontade, súplica:


Deseja que eu volte logo.

Ordenou que paguemos a dívida.

Proibiu que os sócios bebam e implorou que eles trabalhem.

Ele sempre pede que o pessoal estude com afinco.

Nada impede que a integração se  e que alguns gerentes de unidades de conservação possam ser escolhidos.

Pretendemos desenvolver ações que incentivem a pesquisa e a implementação de práticas pedagógicas anti-racistas.

Vamos discutir ações e propostas que busquem alterar as desigualdades raciais.

Esperamos então que os guardas-parques que tanto queremos já possam estar uniformizados e trabalhando no próximo verão.


Para exprimir dúvida, receio, necessidade, condição, apreciação, aprovação, admiração:


Duvido que saibas

Não acredito que chores por isso.

Será melhor (ou pior) que não diga nada. 

Negou que tenha cometido o delito.

Lamentamos que nossos atendentes sejam relapsos.

É importante que todos percebam o real papel dos guardas-parques. Eles são os verdadeiros heróis da conservação das áreas protegidas e não é justo, nem bom para a natureza, que continuem sendo esquecidos

É preciso que se deixe de lado esta visão que nos aprisiona num passado de dor e não permite melhorar as condições de vida dos afrodescendentes.

O Estado deve definir políticas de inclusão que possibilitem às crianças condições de realizar seu percurso escolar até o ensino superior.

Temo que não mais se publiquem livros que provoquem o pensar.
 

Também usamos o presente do subjuntivo para referir fatos incertos com o advérbio talvez em períodos simples ou orações coordenadas:


Talvez eu assista ao jogo.
Talvez sejam contempladas, talvez sejam eliminadas.


Igualmente em frases imperativas:


Que sejas feliz.
(Que) Deus nos abençoe.
 Bons ventos o levem.
Cantemos a uma só voz…

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

A magistrada e o presidiário

“O Juiz e a Execução Penal – Reflexões de uma magistrada”, de Raphaella Benetti da Cunha está entre destaques da Editora Bonijuris,lançados no ano passado.
>>> Por René Dotti

A hermenêutica reinaldiana

Em sua última coluna, Reinaldo Azevedo defendeu a substituição da operação Lava Jato por uma estatal anticorrupção – a Unac (Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado) que, de longe, parece tão improvável quanto a URSAL.