Perdoai-os senhor, eles sabem o que fazem

Sempre que me vejo em pânico com o quadro político brasileiro penso em duas coisas. A primeira, mais difícil: escrever um livro de “auto-ajude-me”. Segunda: recorrer a quem possa aplacar esse ânimo beligerante e essa vontade de parar por aqui e mandar dizer, a quem perguntar, que fui por aí. Os remédios jornalísticos são dois: Clóvis Rossi, raríssimo observador de olhos lúcidos desse país que só arranha a moldura da civilização; e João Pereira Coutinho, um colunista patrício que botou no bolso todos os outros, com exceção de Rossi (hors-concours).

São eles que, de forma enviesada ou direta, respondem à manutenção da liderança de Jair Bolsonaro (28%) na pesquisa Ibope mais recente, e à escalada impressionante de 11 pontos (de 8% para 19%) do petista Fernando Haddad, o novo poste de Lula.

Clóvis Rossi adverte: independente do resultado do capitão (Bolsonaro) no dia 7, a  corrente de opinião que hoje o sustenta veio para ficar. Nunca antes na história imaginou-se, nesse país de botas, coturnos e bigodões, que alguém teria “a coragem de se assumir de direita, menos ainda de extrema direita”. Pois tem.

Ao discurso politicamente correto que campeia, bolsonaristas respondem com o tacape da intolerância. Mas não são só os do lado de cá. Trogloditas também habitam o outro lado, ainda que claramente insanos – vide a facada de que foi vítima o capitão e de como tratou-se de escondê-la, no momento imediato, sob o manto da fake news.

Para quem pensou que esta seria a eleição da ausência – porque de abstenção e rejeição recorde – eis o pleito do voto útil. De um lado e de outro, os eleitores irão às urnas para barrar Bolsonaro ou para barrar Lula e seu fantoche – Haddad não teria chance em outra circunstância. Há que se lembrar que foi defenestrado pelo eleitorado paulistano já no primeiro turno em sua tentativa de reeleger-se à prefeitura da capital.

Clóvis Rossi não diz, mas está claro que um espectro ronda a Europa e é o espectro da extrema direita. Eis os números por ele compilados em eleições recentes: “Alemanha (Alternativa para a Alemanha, 12,6% na eleição, 17% em pesquisas recentes); França (Reunião Nacional, 33,9% no segundo turno da presidencial, quando ainda se chamava Frente Nacional); Itália (Liga, 17,4%, suficiente para levá-la a fazer parte do governo); Áustria (Partido da Liberdade, 26%); Holanda (também Partido da Liberdade, 13%; Dinamarca (Partido Popular Dinamarquês, 21,1%, faz parte do governo); Finlândia (Verdadeiros Finlandeses, 17,7%); e Suécia, o caso mais recente (Democratas da Suécia, 17,6%).

Que o Brasil aprenda a lidar com a nova realidade, portanto. A corrente de opinião de que Bolsonaro se nutre veio para ficar.

O professor e pesquisador da FGV, Antõnio Carlos Almeida, autor do livro “A Cabeça do Eleitor” (Record, 2008) diz que a política não é como nuvem que muda a toda hora, ao contrário do que pensavam velhas raposas da vida pública como Magalhães Pinto. Ao menos no que se refere à opinião pública, que obedece a padrões bem definidos. A tendência é que se um presidente for bem avaliado é certo que ele será reeleito ou elegerá seu sucessor.

Esse padrão, no entanto, parece não combinar com a sequência de fatos ocorridos nos últimos três anos no Brasil: crise econômica, escândalos de corrupção, impeachment e a posse de um vice-presidente, Michel Temer, recordista em impopularidade. De certa forma, Temer serviu como escudo para garantir o retorno de Lula e do petismo, ainda que à sombra. Também garantiu que Bolsonaro, uma nulidade do baixo clero, fosse guindado a “mito” por seus adeptos.

Parece um mundo de fantasia criado por fantasistas? Certamente. Estamos no mundo dos que defendem que a terra é plana, dos que negam o holocausto apesar do zelo dos alemães em registrar tudo em filme, fotos e documentos, dos que negam a evolução do homem e dos que acreditam piamente que os deuses eram astronautas. Ou seja, o buraco do coelho de Alice é o habitat desses malucos.

Para viver em um mundo da fantasia é preciso aceitar algumas regras. Uma delas diz respeito às teorias da conspiração muito em voga nas redes. Outra é ser um crédulo de UTI. Há números: 64% dos brasileiros acreditam em qualquer coisa que leem, veem ou ouvem, sem checar a notícia ou procurar fonte confiável.

O que João Pereira Coutinho tem a ver com isso? É ele quem nos abastece dessas informações. Escreve ele em sua coluna mais recente, na Folha: “A palavra fundamental é ‘prova’. Uma fantasia é improvável (no sentido empírico da palavra) e muitas são contrárias a provas irrefutáveis. Que fazer?”

Coutinho então envia a um amigo um artigo provando que a água engarrafada que ele diz ser contaminada não o é de fato. O amigo responde: “Sei quem tu és. Os donos do mundo sempre tiveram os seus soldados”. Que fazer?

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Dura vida de advogado

A mesma Folha de S. Paulo que anunciou, equivocadamente, a morte da monarca da Inglaterra, na manhã de segunda-feira – “Rainha Elizabeth

Um painel para sempre

Há seis meses, a Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil (ACGB/Vida Urbana) inaugurou um painel de azulejos em homenagem aos profissionais da