Os prejuízos da OAB Paraná

A seção da OAB Paraná acumulou um prejuízo de ao menos R$ 7,5 milhões com o cancelamento de três edições do Exame da Ordem provocado pela pandemia do coronavírus. Anualmente, são aplicadas três provas divididas, cada uma, em duas fases. O impacto da crise sanitária excluiu do calendário as provas de junho e outubro de 2020 e a de fevereiro de 2021. Mesmo a única edição do exame precisou de um intervalo de dez meses para ser concluída, com cinco adiamentos. A 1ª fase, que consiste em 80 questões tratando dos vários ramos do direito, foi realizada em fevereiro do ano passado, quando ainda não havia sido registrado nenhum caso de contaminação pela covid-19 no Brasil. Já a 2ª fase, que trata de questões específicas da área em que o futuro advogado pretende atuar, só ocorreu em dezembro. No Paraná, o número de inscritos no exame, em média, a cada edição, é de 9 mil – menos de 10% do total em todo o país (127 mil). O Conselho Federal da OAB calcula que o prejuízo da entidade com a suspensão de três etapas do exame aproxima-se de 100 milhões, considerado o universo de 380 mil inscritos. As perdas, entretanto, não são apenas financeiras. O número de bacharéis que poderiam estar exercendo a profissão de advogado é de pelo menos 120 mil, o equivalente ao porcentual de aprovados anualmente. O próximo Exame da Ordem, cuja edição é a 32, está marcado para junho. Se a crise sanitária deixar.

Online

A OAB estudou alternativas para aplicação das provas do Exame da Ordem. A saída era realizar o teste por via digital. “Análises aprofundadas” da entidade, no entanto, revelaram que o risco seria muito grande.

Marca batida

Encerradas as inscrições para o Exame da OAB, na semana passada, e o número de inscritos salta aos olhos: 180 mil. É um recorde. E há uma explicação: houve o represamento de candidatos em 2020.

Desempenho

Na segunda-feira (3), a OAB divulgou o desempenho das faculdades de Direito no último exame. No Paraná, as instituições com melhores índices de aprovação foram a Unioeste – Francisco Beltrão, com 73,68%, e a Universidade Estadual de Maringá, com 66,38%. A UFPR registrou 49,70%.

Para baixo

Mais: das 113 faculdades de Direito do Paraná, 78 ficaram abaixo da média estadual de aprovação, que é de 20,12%. A média nacional é um pouco menor: 19,49%.

René Dotti

A Editora Bonijuris está preparando uma Separata em homenagem ao professor René Ariel Dotti. A publicação, que deverá ser lançada em junho com 120 páginas, contará com artigos de juristas de todo o país. Entre eles, Miguel Reale Jr., com quem Dotti esteve ao lado na comissão que elaborou o anteprojeto que modificações alguma disposições da Parte Geral do Código Penal, em 1995.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

À espera do escrete do STF

O brasileiro é incapaz de escalar a seleção brasileira de futebol, do goleiro ao centroavante, mas tem na ponta da língua os

A esquerda marcha sua insensatez

Um estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em novembro de 2020, mostra que, mesmo em um ambiente aberto, a grande concentração de pessoas gera o que os pesquisadores chamam de super propagação.

Em nome do bom português

Tutmonte procura coligar-se com amigos do presidente.
Que presidente? É o próprio Tutmonte, mas parecem dois e se o leitor já não souber que Tutmonte é presidente não entende o que o mau redator quis dizer.