Olavo de Carvalho sem partido

Guru da direita segundo o próprio, Olavo de Carvalho é dono de uma frase que diz muito também sobre ele: “Eu não trabalho para a direita brasileira; eu a inventei, porra!”. Na semana passada, Carvalho foi ao Youtube para fazer duras críticas ao projeto Escola Sem Partido. Disse ele, entre outras coisas, que nunca se prestaria a demonstrar uma tese a seus alunos e ser depois obrigado a refutá-la por força da obrigação de mostrar o “outro lado”.  Para ele o debate sobre essa “bobagem” Escola Sem Partido que, no mais, é Escola Sem Sócrates, não deve e não deveria começar pelo legislativo (logo quem) mas sim pela universidade. Depois se espraiar a toda a comunidade. “O núcleo da discussão deve ser necessariamente a academia”. O professor Arthur Virmond de Lacerda compartilhou o vídeo em sua página no facebook para quem quiser ver (abaixo, também reproduzo). Olavo de Carvalho reclama a propriedade do slogan “Escola Sem Censura”. Afirma que há dois anos lançou a ideia e que agora o PT se apropriou dela. Culpa os pequenos burgueses por disseminar essa ideia burra. A saber: Sócrates foi condenado por negar os deuses do Estado e tentar criar outros (ele mesmo, inclusive, dizem as más línguas). Mais: por corromper a juventude, que é o que importa aqui. Dá no mesmo, sem reparos. A ideia de que alguém possa doutrinar o outro que não esteja disposto a ser doutrinado é tola. Um raciocínio de prestidigitador, de circo de mulher barbada, de show de horrores. Que bebam cicuta eles.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Dura vida de advogado

A mesma Folha de S. Paulo que anunciou, equivocadamente, a morte da monarca da Inglaterra, na manhã de segunda-feira – “Rainha Elizabeth

Um painel para sempre

Há seis meses, a Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil (ACGB/Vida Urbana) inaugurou um painel de azulejos em homenagem aos profissionais da