No items found

O que os estudantes podem fazer pelo Brasil

Estou reeditando um texto publicado em 29 de setembro de 2005. O assunto não perdeu atualidade. Em uma edição de domingo, a Gazeta do Povo publicou reportagem de capa sobre as reações de adolescentes em face do desencanto e da frustração pela falta de decoro de muitos parlamentares e o seu notório desinteresse pela República. Os títulos eram bem sugestivos: “Teoria e prática da indignação”, “Juventude e política à flor da pele” e “Geração 2000 prefere políticas alternativas”. O desfile interminável de fatos chocantes provocou impressões muito negativas. Palavras como “vergonha”, “decepção”, “raiva” traduziram a condenação. Mas houve, também, sentimentos positivos entre os 32 jovens ouvidos pelo repórter em pistas de skate, academia, shopping center e loja de discos. Por exemplo:  “Esperança. O jovem é por natureza idealista. Busca soluções, quer algo melhor”; “DecisãoChegou a hora de tomar atitudeTemos a deixa para abandonar a fala de geração alienada”.

A matéria, bem elaborada pelo jornalista José Carlos Fernandes, e com excelente fotografia, se transformou em inquérito social dos moços sobre os desvios da política nacional. Mas, apesar da frustração eles não desertaram das convicções e nem da responsabilidade em trabalhar pelo aprimoramento da democracia no país e da melhor qualidade de vida para o povo. E um deles, muito apropriadamente, afirma que a “deixa – isto é, a oportunidade para “entrar em cena” na linguagem teatral – serve de estímulo para a reação de novas gerações de eleitores. 

Em muitas palestras para alunos de cursos jurídicos venho enfatizando: “O Congresso Nacional somos nós”. Com a frase eu procuro explicar que os ocupantes de cargos públicos eletivos nos poderes Executivo e Legislativo são os nossos representantes diretos. E que os problemas vividos pelo estado, pela nação e pelo povo em face do mau desempenho de políticos são, também, nossos problemas. E tenho contado a fábula do ratinho, que a jornalista Ruth Bolognese reproduziu em sua coluna de domingo, na Folha de Londrina,  com detalhes muito saborosos.  Em síntese, a narrativa critica as pessoas que hostilizam a Política como se tudo que existe em seu redor não fosse resultado de boas ou más políticas públicas. E, principalmente, não querem dar a menor contribuição para as mudanças que o país precisa. Com urgência. 

** **

O pequeno roedor ficou desesperado  quando soube que o dono da casa instalou uma ratoeira na sala. Pediu à galinha que cacarejasse em protesto ouvindo a resposta de que ela nada tinha a ver com aquilo. O porco foi procurado em seguida e argumentou que vivia no chiqueiro e que o problema não era seu. A mesma negativa, com outra explicação, veio da vaca que se negou a secar o leite como reação. 

Naquela noite, porém, uma cobra venenosa, distraída e faminta, caiu na ratoeira e, antes de morrer, mordeu a dona da casa. Chamado às pressas o médico receitou, além do soro antiofídico, descanso e caldo de galinha. A penosa foi a primeira vítima. A  doente piorou e para dar de comer aos parentes que estavam chegando, a carne de porco foi o prato escolhido. Mas aconteceu o pior: a dona da casa faleceu. E a vaca foi sacrificada para atender o apetite da vizinhança e dos amigos que chegaram para o velório e o enterro… 

***

A reação dos estudantes é muito positiva e a fábula é interpretada como alerta de solidariedade e um pacto de comunhão para reverter  a anomia e a desesperança. Também lembro a frase antológica do presidente John F. Kennedy  (1917-1963), pronunciada no discurso de posse (1961). Ela é paradigmática nas  relações entre o cidadão e o poder público: Não pergunte o que o seu país pode fazer por você; pergunte o que você pode fazer pelo seu país.  

Na reportagem, uma das entrevistadas lembrou que as ONGs e outras formas alternativas de manifestação ganharam fôlego ao longo dos anos 90, criando uma nova face política da juventude. Outra característica é a capacidade de mobilização para grandes causas de relevo público. Os cara- pintadas são um bom exemplo.

E foi de uma dessas jovens e corajosas cidadãs que vieram algumas palavras simples e esperançosas. No frescor de seus 16 anos e não sendo obrigada a votar irá, no entanto, fazê-lo no próximo ano. Dias antes ela dissera que, em sinal de protesto, não chegaria perto da urna. E justifica a nova decisão:

“Mudei de ideia por causa da crise”.

TEXTO PUBLICADO ORIGINALMENTE NO BLOG DO DOTTI.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Dura vida de advogado

A mesma Folha de S. Paulo que anunciou, equivocadamente, a morte da monarca da Inglaterra, na manhã de segunda-feira – “Rainha Elizabeth

Um painel para sempre

Há seis meses, a Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil (ACGB/Vida Urbana) inaugurou um painel de azulejos em homenagem aos profissionais da