Nos trinta anos da morte de David Carneiro

Em agosto de 2020 transcorreram 30 do traspasse de David Antonio da Silva Carneiro (1904 — 1990), o mais prolífico e conspícuo historiador paranaense.

David nasceu na rua Mateus Leme, na residência em que habitavam seus pais em 1904, no lado direito do atual Museu Alfredo Andersen. Criança, viveu na Vila Tranqüila, mansão de seus pais (sede do antigo Buffet do Batel e já demolida); jovem, morou em apartamento nos fundos dela, em que acomodou as primeiras peças de seu museu. Adulto, erigiu vivenda na rua Desembargador Mota e, em 1949, seu solar de número 1828 da rua Brigadeiro Franco, cuja fachada inspirou-se na descrição que Eça de Queiroz fez, em seu romance Os Maias, da casa Ramalhete, que remanesce e em cujo interior existe o (aliás, inexpressivo) Espaço Cultural David Carneiro, em que se expõem alguns de seus livros, fotografia sua em tamanho grande, mercadejam-se lembranças de Curitiba e que andou encerrado por anos a fio, até que desencadeei campanha nas redes sociais pela sua reabertura. David merece mais e melhor[1].

De 1918 a 1922 estudou no Colégio Militar de Barbacena e, seguidamente, no Colégio Militar do Rio de Janeiro, em que, graças a professores como Alfredo Severo dos Santos Pereira e Heitor Cajati, adeptos do Positivismo de Augusto Comte, conheceu-o e aderiu-lhe, em convicções que lhe foram vitalícias.

De volta ao torrão e ainda moço, de 1930 a 1932 (contava de 26 a 28 anos) presidiu ao Banco do Estado do Paraná.

Ele formou-se em engenharia civil pela Universidade do Paraná, em 1927, porém mal atuou como engenheiro. Dada a morte prematura de seu pai, no ano subseqüente (o coronel da Guarda Nacional também nomeado David Carneiro), assumiu a administração da Ervateira Americana, engenho de erva mate de enorme dimensão, que ocupava toda a largura da rua Brigadeiro Franco, entre as ruas Emiliano Perneta e Comendador Araújo, em Curitiba.

Não se graduou em história (sequer havia tal curso, ao tempo), porém foi historiador de avultada produção; octogenário foi admitido na Academia Brasileira de História. Também foi ensaísta (com ensaios dispersos em revistas), contista (de produção escassa, porém interessante e inédita). Não era mestre nem doutor — era douto, o que muitos doutores brasileiros não são. Repugnavam-lhe a mediocridade como padrão pessoal e a incultura como traço dos povos. Sua vida foi de aprendizado constante, por leituras em que era ávido: aspirava a saber sempre mais e sabia muito, dotado de vasta cultura, de que raros humanos são capazes.

Sua biblioteca de cerca de sete mil volumes (encadernados) foi vendida em alfarrabista de Curitiba, logo após seu decesso e dispersou-se. Teria sido meritório que a mantivessem intacta e com destinação social; não houve vontade política para tal (dispusesse eu de meios financeiros, tê-la-ia comprado, por inteiro, e aberto ao público).

Difundiu seu conhecimento por livros, ensaios, artigos que publicou em revistas várias e cursos que ministrou na Escola de Belas Artes do Paraná (Arquitetura Analítica), no departamento de Economia da UFPR (Evolução da Conjuntura Econômica), no de história da Universidade de Brasília (História do Brasil), na Escola Superior de Guerra; também no Chile e, várias vezes, nos EUA: em Nebraska, em 1961; na Ucla, da Califórnia, em 1966; na Universidade Harvard; já septuagenário, em 1975, em Ohio, do que produziu My sojourn in Ohio, acessível por via eletrônica paga.

 Quando estudante, recebeu medalha de ouro no Colégio Militar do Rio de Janeiro; ao longo da vida foi agraciado com oito condecorações nacionais e metecas, de que três no grau de comendador: comendador David Carneiro, condição de que se não bazofiava. Preferia ser tratado por “professor”: professor David Carneiro.

No ambiente brasileiro, a lusofobia ou antiportuguesismo era e ainda é inculcada nas escolas, por livros e lentes tendenciosos, e cultivado no meio universitário e intelectual. Culpa-se a formação portuguesa do Brasil pelos seus males presentes e pretéritos, embora da independência por diante os brasileiros houvessem se tornado responsáveis pelos destinos de seu país. Como bode expiatório, acusa-se a “herança colonial”, com que se dissimula a incapacidade de os brasileiros corrigirem o que julgam estar mal. A “herança colonial” é-o no que os brasileiros não a desejaram retificar. Autores como Salgado Freire, José Honório Rodrigues, Valfrido Piloto, Renato Janine Ribeiro, Júlio José Chiavenato, Laurentino Gomes encarnam os depreciadores do passado brasileiro; por outro lado, vultos respeitáveis da historiografia nacional atuaram sem o vezo lusófobo e até em defesa da formação portuguesa do Brasil, como David Carneiro, Gilberto Freyre, Manuel Bonfim, Tito Lívio Ferreira, Eduardo Metzer Leone, Rocha Pombo; hodiernamente João Paulo Garrido Pimenta.

Porque esquadrinhasse, no Brasil e em Portugal, a figura de Afonso Botelho de Sampaio e Sousa, construtor do Paraná em o século XVIII, David foi agraciado com a comenda portuguesa do Infante Dom Henrique, em 1963, quando publicara em fascículos a biografia daquele, que republicou em 1986 em livro.

Ao longo de 16 anos (nos anos de 1980 e 1990) manteve coluna diária na Gazeta do Povo, a Veterana Verba: crônica de atualidades, temas de história, assuntos vários, e também poesia: periodicamente publicava trios de sonetos. A totalidade da Veterana Verba é testemunho de época e fonte riquíssima de sabedoria e cultura, que merece publicação integral em coleção especial que se lhe dedique. Oxalá algum particular, amigo da cultura paranaense, ou os órgãos oficiais tomem tal iniciativa. Também deixou artigos dispersos em revistas várias (como a do Rotary Clube e a Revista Interamericana de Bibliografia, nos anos 1970 e 1980, de circulação internacional, em que resenhou livros).

  Produziu cerca de 60 livros, com inéditos. Manteve aberta ao público, por décadas, a sua imensa coleção de objetos da história do Paraná e do Brasil, o Museu David Carneiro, adquirido, postumamente, pelo Museu Paranaense. Continha cerca de quatro miríades de peças (armaria, mobiliário, pinacoteca, vestuário, veneras, pianos, cristais, porcelanas e muito mais).

 Construiu a Capela da Humanidade, pertencente ao Centro Positivista do Paraná, como positivista e humanista que era, adepto de Augusto Comte, entusiasta das virtudes da Humanidade, da cultura pessoal, do pacifismo, do valor da educação. Em sua condição de positivista, produziu a História geral da Humanidade através dos seus maiores tipos, em sete volumes (de extensão díspar, publicados de 1939 por diante), em que expõe a biografia de vultos selecionados do calendário histórico de Augusto Comte, com o respectivo contexto. É bela exposição de história e da participação de agentes decisivos do desenvolvimento humano, que bem merece nova edição.

 Moço, recém-casado (nos anos 1920) dedicou-se a registrar o episódio da epopeia da Lapa, em sua célebre resistência de 1894: publicou O cerco da Lapa e seus heróis (1934; republicado pela Biblioteca do Exército, em 1991), Os fuzilamentos de 1894 no Paraná (1937), A revolução federalista no Paraná (1944, 1982), Rastros de sangue (romance; anos 1970), Gomes Carneiro e a consolidação da república (anos 1980).

Um de seus livros valeu-lhe processo judicial: História psicológica do Paraná, de 1934. Reputava A marcha do ateísmo (1936) sua obra-prima: nele expôs princípios do Positivismo (que perfilhou), bem assim nos Ensaios de interpretações morais. Traduziu o Testamento político de Richelieu, integrante da biblioteca positivista, acervo de livros de leitura recomendada por Augusto Comte (Atena,1955; reedição da Edipro, 1995).

Deixou inéditos Novos ensaios de interpretações morais e interessantes contos de fundo verídico, cujo manuscrito acha-se depositado no Museu Paranaense.

Tomou a iniciativa da construção do monumento a Benjamin Constant, inaugurado em 1940, na praça Tiradentes, após o malogro de junta oficial destinada a erigi-lo. David promoveu-lhe a execução, com fundos próprios. Quatro anos depois, por sua idealização e iniciativa, inaugurou-se (no cinquentenário do cerco da Lapa) o Panteon dos Heroes, monumento cívico em que jazem Gomes Carneiro, Joaquim Lacerda, Dulcídio Pereira, Amintas de Barros. Bastaria essa realização para assinalar-lhe o papel cívico.

David Carneiro na inauguração do monumento a Benjamin Constant, na Praça Tiradentes, em Curitiba, no ano de 1940. Na foto acima, o historiador em sua biblioteca de 7 mi volumes encadernados. Após sua morte, livros foram vendidos em alfarrabista da capital e dispersaram-se.

A Escola Superior de Guerra (que cursou em 1956, no Rio de Janeiro) publicou-lhe súmula dos cursos que lá expendeu (1957[2]), a editora Civilização Brasileira deu à luz o seu A vida gloriosa de José Bonifácio de Andrada e Silva (1977), a Universidade de Brasília publicou-lhe História da guerra cisplatina (1983), a coleção Farol do Saber (da prefeitura de Curitiba) republicou-lhe O Paraná na guerra do Paraguai (1995). O Museu Paranaense dispõe, em PDF, o texto de O drama da fazenda Fortaleza[3].

Graças a pesquisas pioneiras em arquivos ingleses, revelou o incidente da belonave inglesa Cormorant, que em 1850 tiroteou com a fortaleza de Paranaguá e suscitou a lei Eusébio de Queiroz, proibidora do comércio negreiro no Brasil. Nesse capítulo, publicou História do incidente Cormorant (1950).

 Em comemoração do centenário do Paraná (1954) publicou A História da História do Paraná, especialmente importante porque: 

  1. na sua primeira parte, constitui teoria da história: história como saber, em seus fins, métodos, fontes, critérios, domínio em que se serviu notadamente das doutrinas de Ortega y Gasset e de J. Shotwell. Trata-se de importante teorização, de valor universal, um dos pontos máximos da sua obra e que merece consideração em cursos de história, ciências sociais, sociologia, e reedição.
  2.  na sua segunda parte, avalia o papel dos historiadores paranaenses e a respectiva contribuição. É a parte em que David Carneiro, com sua erudição ímpar e com seu excelso critério, julga o valor da obra de Afonso Botelho de Sampaio e Sousa, Ermelino de Leão, Francisco Negrão, Romário Martins e não só.

Não datilografava: manuscreveu todos os originais do quanto produziu. A Gazeta do Povo talvez conserve as miríades de laudas pautadas que lhe fornecia e em que ele redigia seus artigos da Veterana Verba. Se existirem, são relíquias por depositar-se no Arquivo Público ou no Museu Paranaense. Ele recortava os textos publicados de sua coluna e colava os retalhos em cadernos que mandava encadernar e que compõem coleção de algumas dezenas, conservados por seus descendentes. Também merecem ser doados para o Museu Paranaense.

A exploração do material pletórico da Veterana Verba ensejará novos estudos relativos ao homem, ao historiador, ao seu tempo e novamente revelará sem-número de pontos da história local e nacional de que neles tratou; sua publicação integral será serviço em prol da alta cultura paranaense e é dívida que o Paraná e os paranaenses têm para com uma de suas mais indiscutíveis superioridades. Caderno de contos (de fundo vero e interessantes, com personagens locais, dissimulados sob nomes fictícios) depositado no Museu Paranaense aguarda iniciativa de sua publicação. Também deixou várias dezenas de cadernos manuscritos de diários, manancial para estudiosos, pesquisadores e historiadores.

Berenice Mendes, em 1988, produziu documentário em curta metragem intitulada Memória de David, em que lhe gravou voz e imagens, em sua residência. Em 1990, acedi a convite de Maria de Lurdes Marques Chaves, de exarar página evocativa e encomiástica de David, como antelóquio de A Centenária República e o Coronel Joaquim Monteiro (avô de David que, aliás, não era parente do general Antonio Ernesto Gomes Carneiro, o herói da Lapa). Em 2012, Daiane Vaz Machado graduou-se como mestre em História da UFPR com dissertação sobre David, em que lhe registrou a ação e a vida[4]; Maria Julieta Weber Córdova publicou Bento, Brasil e David (editora da UFPR) em que lhe estuda a contribuição (bem assim as de Bento Munhoz da Rocha Netto e Brasil Pinheiro Machado) na elaboração da identidade paranaense.

Fundou a Empresa Cinematográfica David Carneiro, que construiu as primeiras salas de exibição confortáveis de Curitiba: cinematógrafos Ópera (na alameda Luís Xavier), Arlequim (no largo Frederico Faria de Oliveira), Marajó e Guarani.

David Carneiro jaz no cemitério municipal de Curitiba, em tumba que lhe abriga a mulher e os filhos, encimada pelo aforismo de Augusto Comte: “Os vivos são governados pelos mortos”: as gerações influenciam umas às outras, o presente é produto do passado.

Gigantesco na sua cultura, imenso no seu legado cultural, é figura verdadeiramente egrégia do Paraná. Levou vida intensíssima, como a de raros, no sentido de aprender continuamente e trabalhar sempre e bastante, na produção intelectual que lhe foi modo de ser e de estar, desde jovem. Sobre o volume de seu legado, impressionam a constância com que o produziu e a precocidade com que passou a fazê-lo: desde moço e sempre.

Lembrem-se dele os paranaenses como um de seus mais ilustres coestaduanos, os brasileiros como um de seus mais egrégios valores e os homens como um de seus mais conspícuos exemplos.

TAREFAS DOS PARANAENSES, POR CUMPRIR: PUBLICAR A TOTALIDADE DA VETERANA VERBA E OS CONTOS DE DAVID CARNEIRO. Que se mobilizem particulares, órgãos oficiais, Imprensa Oficial, mecenas, família, leitores, Instituto Histórico, Centro de Letras, UFPR !


[1]Aqui, matéria da Gazeta do Povo de 15 de abril de 2019, sobre o Espaço David Carneiro: https://www.gazetadopovo.com.br/haus/arquitetura/museu-david-carneiro-ganha-loja-souvenires/.

Aliás, como é péssimo costume da redação estrangeirada daquela folha, empregou-se o francês “souvenires” em lugar de “lembranças”. Equivocou-se a matéria: Ramalhete não foi residência de Eça de Queiroz.

[2] Vide O que a Escola Superior de Guerra ensinava, de Sebastião André Alves de Lima Filho: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/24611/1/2011_tese_saalimafilho.pdf

[3] http://www.museuparanaense.pr.gov.br/arquivos/File/odramadafazendafortaleza.pdf.

[4] O percurso intelectual de uma personalidade curitibana: David Carneiro. Aceda-lhe por https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/27310.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

“1808”: mau livro

Todo historiador é livres nos seus juízos. Laurentino Gomes, porém, ao narrar a vinda da família real ao Brasil, enfatizou somente o negativismo e a lusofobia.

A campanha da “livemício”

Alternativa dos candidatos será focar na propaganda eleitoral de rádio e TV, que volta a ganhar importância, e nas redes sociais, transformando a bem sucedida fórmula das “lives” da quarentena em “livemícios”.
>>> Tema estará em debate no VII Congresso Brasileiro de Direito Eleitoral que acontece de 17 a 21 de agosto em edição online.

Os degredados no Brasil

Os crimes sexuais avultavam em número. Remetia-se para o Brasil o condenado de “mor qualidade” que adentrasse mosteiro ou dele retirasse freira. O marido que consentisse no adultério de sua mulher seria degredado com ela.