No frio do inverno aprendi que dentro de mim existe um insuperável verão

Queridas e queridos colegas:

         Estamos vivendo um grande desafio. Talvez o maior de nossas vidas.

Lembrei uma das obras clássicas da literatura mundial: A peste, de Albert Camus (1913-1960), um ser humano de várias camadas (Prêmio Nobel de Literatura, 1957). Foi Escritor, Jornalista, Filósofo, Dramaturgo e um dos membros da resistência francesa contra o Nazismo. Na leitura de A peste,é fundamental verificar a resistência extraordinária de alguns personagens e a solidariedade humana em meio à peste bubônica que assolou a cidade de Oran, na Argélia. O livro contém forte imagem de sofrimento e, ao mesmo tempo, de esperança. Uma das frases de Camus bem identifica o que foi dito acima: “No frio do inverno, finalmente aprendi que dentro de mim existe um insuperável verão”.

         Em situações como a presente, do Coronavírus, é absolutamente necessário não ser refém do medo. O medo ofusca o dia pleno de luz assim como o eclipse solar. A Lua, “porém, está com diâmetro menor que o do Sol, aparecendo, portanto, como um disco escuro no centro do disco solar, que se destaca como um anel cintilante”. Houaiss.

         O brilho de nossa luta na Advocacia, de nosso empenho profissional e da nossa alegria de viver não serão extintos pela passagem de um tempo carregado de nuvens negras. Nem com a chuva intermitente e os granizos que soam na vidraça, mas que se esfumam com o calor do sol que surge e se eleva para além da mata, do campo e das ruas, aquecendo nossa alma.

**                          **

         Certamente nenhum estadista mundial viveu a incerteza e o temor vividos por Winston Churchill (1874-1965), Primeiro Ministro da Inglaterra diante da iminente invasão nazista a Londres, durante a II Guerra Mundial. Ele mostrou um notável e histórico exemplo de resistência contra membros de seu partido que pretendiam fazer um acordo com Hitler como preço da paz. Em seu discurso na House of Commons,em 4 de junho de 1940, reagindo com iluminado vigor cívico e extraordinária coragem, assim falou:

We shall defend our island, whatever the cost may be, we shall fight on the beaches, we shall fight on the landing grounds, we shall fight in the fields and in the streets, we shall fight in the hills; we shall never surrender”. (Cohen, MJ. The penguin thesaurus of Quotations, England, 1998, p. 579)

Irmãs e irmãos em luta: “we shall never surrender”.

Afetuosamente,

René Ariel Dotti

FOTO DIVULGAÇÃO

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

A magistrada e o presidiário

“O Juiz e a Execução Penal – Reflexões de uma magistrada”, de Raphaella Benetti da Cunha está entre destaques da Editora Bonijuris,lançados no ano passado.
>>> Por René Dotti

A hermenêutica reinaldiana

Em sua última coluna, Reinaldo Azevedo defendeu a substituição da operação Lava Jato por uma estatal anticorrupção – a Unac (Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado) que, de longe, parece tão improvável quanto a URSAL.