Entrevistas

George Luna Bonfim: “A LGPD passará por uma fase de amadurecimento”

Para advogado paulista,, Lei Geral de Proteção de Dados é avanço para o país. Mas precisa ser divulgada. (Bonijuris #668 Fev/Mar 21)

Advogado de um dos grandes escritórios paulistas – o Natal & Manssur – localizado no bairro nobre do Itaim Bibi, George Leandro Luna Bonfim entende que a implantação da Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/18) nas empresas significa um investimento e não um gasto. Desde que entrou em vigor em agosto de 2020 com o objetivo de garantir maior controle dos cidadãos sobre suas informações pessoais, há um intenso movimento de adequação dos entes públicos e da iniciativa privada para atender aos requisitos da lei.

Mas é preciso mais. Bonfim alega, por exemplo, que falta por parte do governo e da recém-criada agência reguladora responsável pela fiscalização do setor – a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) – a promoção de campanhas de divulgação. Nesse campo, o governo tem claudicado. A se levar em conta que os dados pessoais são considerados o principal insumo de inúmeras empresas, não deixa de ser preocupante que a publicização da lei não tenha alcançado prioridade por parte das autoridades. Vale dizer que a LGPD é um salto qualitativo para o país. Os princípios e direitos assegurados aos titulares de dados reúnem, sob um marco regulatório, as leis esparsas que foram sendo aprovadas pelo Congresso ao longo do tempo (a Lei Carolina Dieckmann é só um exemplo). Bonfim avalia que a implantação da LGPD, como toda nova lei de impacto na sociedade, ainda necessitará de um amadurecimento. “Da mesma forma que ocorreu com o advento do Código de Defesa do Consumidor e com a lei que instituiu o chamado acordo de colaboração premiada, a LGPD também passará por uma fase de estudos e aprimoramento”. Há outro aspecto que chama a atenção de Bonfim. A ANPD, responsável pela regulação e fiscalização do setor, está, conforme texto da lei, vinculada à Presidência da República, o que a diferencia das agências reguladoras relacionadas a ministérios afeitos às suas atividades. “Seria recomendável que, posteriormente, a ANPD pudesse ser realocada em uma organização mais independente de quaisquer dos três poderes, o que inclui o Poder Executivo”, diz Bonfim. A seguir os principais trechos da entrevista:

A LGPD entrou em vigor sem que a autoridade que irá regulá-la estivesse definida? Isso não é um contrassenso?

O processo de regulamentação de determinada lei geralmente ocorre em momento posterior ao de sua entrada em vigor, o que não significa que determinados aspectos, direitos e obrigações da LGPD não possam ser cumpridos de forma imediata, inclusive com a análise de eventuais violações da norma a ser realizada pelo Poder Judiciário. Cumpre destacar que a estrutura regimental da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) já foi aprovada pelo Decreto 10.474/20, de 26 de agosto, e o processo de seleção de sua primeira diretoria foi confirmado pelo Senado. Definida essa etapa, a ANPD poderá prosseguir com o procedimento de regulamentação da LGPD.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) é, em tudo, uma agência reguladora, inclusive com a fixação de mandato para o seu conselho diretor. Por que não chamá-la de agência?

A escolha do nome da ANPD foi realizada pelo legislador, que optou por denominá-la “Autoridade” ao invés de “Agência”. Em alguns países, suas respectivas nomenclaturas também consideraram o termo “Autoridade”, como a Hungria (Hungarian National Authority for Data Protection and Freedom of Information) e a Romênia (The National Supervisory Authority for Personal Data Processing).

O fato de a ANPD ser vinculada à Presidência da República não compromete sua independência?

Em que pese o seu vínculo à Presidência da República, a ANPD tem assegurada a sua autonomia técnica, de acordo com todos os dispositivos legais que a regem. Além disso, ela contará com um órgão colegiado denominado Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, formado por representantes indicados pelo Poder Executivo, Congresso Nacional (Câmara e Senado), Conselho Nacional de Justiça, Ministério Público, Comitê Gestor da Internet no Brasil e sociedade civil, incluindo indicações da comunidade científica e do setor empresarial. Dada a pluralidade em sua composição seria possível considerá-la independente em linhas gerais, mas certamente cabe à sociedade como um todo realizar a devida fiscalização da ANPD, de forma a garantir que ela esteja cumprindo com as disposições previstas à entidade nos termos previstos pela lei.

A principal crítica que se faz à LGPD é que ela não deu tempo às pequenas e microempresas para que se adaptassem às novas regras? O senhor concorda?

Em que pese o fato de a LGPD ter entrado em vigor apenas em 2020, sua vigência decorre de 14 de agosto de 2018, e desde então a lei como um todo está disponível para todos. Infelizmente, os diversos trâmites legislativos posteriores acabaram por adiar a sua entrada em vigor em mais de uma ocasião, trazendo uma insegurança jurídica acerca do termo de início de sua aplicabilidade. Vale dizer que a lei traz muitos princípios e direitos assegurados aos titulares de dados pessoais, buscando assegurar a melhor forma de gestão desses dados, apresentando-os de uma maneira muito elucidativa, de forma que seja possível que mesmo pequenos e microempresários possam buscar uma adequação sem a necessidade de tantos ajustes, principalmente nesta etapa inicial.

Outra crítica diz respeito à falta de publicidade sobre a LGPD, gerando desconhecimento dos órgãos públicos e das empresas que devem se adequar à nova lei. Isso não pode gerar implicações jurídicas?

Com a entrada em vigor da lei, considero que ela tem sido bastante debatida entre diversos grupos e entidades, especialmente no que tange à sua aplicabilidade e adequações necessárias em inúmeros casos. Contudo, iniciativas formais do governo federal em divulgar, explicar e esclarecer as principais dúvidas que surgem sobre a LGPD certamente também seriam bem-vindas, sobretudo para abarcar um público muito maior, que de fato possui uma carência em compreender seus direitos e obrigações nesse novo cenário, sobretudo no sentido de orientá-los a como proceder em cada caso concreto.

A LGPD tem a missão de proteger os dados pessoais dos cidadãos brasileiros. Falta, no entanto, ao cidadão conhecer os direitos relativos à privacidade e saber a quem poderá recorrer caso verifique que esses direitos não foram respeitados. Qual é a sua opinião?

Esse é um tópico que realmente necessita ser endereçado de forma urgente. Considerando os direitos assegurados aos cidadãos que são titulares de dados pessoais protegidos pela LGPD, é imprescindível que essas mesmas pessoas tenham conhecimento sobre como eles podem buscar referida proteção e comunicar violações à nova lei. Inúmeros PROCONs, inclusive, têm realizado uma série de eventos e campanhas de apresentação e conscientização da nova norma, de forma a apresentá-la a pessoas físicas e jurídicas. Outros órgãos como o Ministério Público também já possuem competência de fiscalizar e averiguar o seu devido cumprimento, e a Justiça já está apta a realizar o julgamento necessário acerca de sua aplicabilidade ou mesmo em casos de sua inobservância. De qualquer forma, tais iniciativas de informação e disseminação da LGPD são imprescindíveis e extremamente necessárias.

Com o uso de dados pelas empresas (autorizados ou não), o advento do “big data” e a informatização em crescimento exponencial é possível falar em LGPD como se ela fosse apenas um balcão de reclamações do PROCON?

Não é isso o que estamos observando em outros países que estão aplicando legislações e procedimentos destinados a garantir a proteção de dados pessoais, como os países da União Europeia ou mesmo a Califórnia, nos EUA, que já possuem legislações de proteção de dados em vigor. As fiscalizações e processos julgados pelos entes competentes desses locais, com a subsequente aplicabilidade de multas severas e outras penalidades (que podem inclusive levar à ordem de exclusão dos dados pessoais objeto de tratamento por determinada empresa), demonstram que o tema não somente tem uma relevância mundial, mas também que está sendo tratado com bastante seriedade pelos entes governamentais, empresas e sociedade como um todo. Em que pese a LGPD ser recente, o Brasil já continha inúmeros procedimentos de proteção de dados e da privacidade previstos em outras normas, desde a Constituição Federal de 1988 até outras leis como a Lei 12.737/12 (Lei Carolina Dieckmann, que tipificou novos delitos informáticos) e a Lei 12.965/14 (Marco Civil da Internet), dentre outras, sendo a LGPD o diploma mais atualizado para regular a proteção de dados pessoais que não tinham uma proteção legal específica e adequada.

Quais os processos que começam a aparecer na Justiça referentes à lei em vigor?

Algumas empresas já estão sendo processadas por não cumprirem as disposições presentes na LGPD. Nesse sentido, as principais práticas ora questionadas na Justiça referem-se, principalmente, ao uso indevido de dados pessoais, ou mesmo ao seu compartilhamento sem as previsões que são permitidas pela lei.

O cidadão poderá processar a prefeitura municipal por utilizar câmeras de vigilância na rua, ainda que a prefeitura alegue que os aparelhos são instalados para zelar pela segurança pública?

A LGPD traz algumas exceções as quais os dados podem ser objeto de tratamento sem que haja a necessidade de obtenção de consentimento do titular dos dados. Nesse sentido, caso o tratamento seja realizado para fins de investigação e repressão de infrações penais, segurança pública e defesa nacional, a LGPD explicitamente determina que a lei não se aplica às hipóteses de tratamento descritas.

A Justiça tem instrumentos hoje para garantir a aplicação da Lei?

O Ministério Público, os órgãos de defesa do consumidor (PROCONs) e o próprio Poder Judiciário já podem atuar de maneira efetiva na análise, observância e cumprimento das disposições da LGPD. Nesse sentido, ainda que as penalidades da lei tenham sido postergadas para 2021, a Justiça pode, inclusive, determinar que penalidades sejam aplicadas como forma de sancionar atividades realizadas de maneira ilegal e exigir o efetivo cumprimento da lei, mesmo que as penalidades específicas da LGPD somente entrem em vigor em 2021.

A falta de conhecimento ou domínio dos operadores do direito sobre a LGPD é um problema?

Como toda nova legislação que ingressa em nosso ordenamento jurídico, a LGPD está sujeita a uma série de estudos, reflexões e trabalhos desenvolvidos pela comunidade jurídica, tanto no âmbito acadêmico quanto no seu uso prático. Da mesma forma que ocorreu com o advento do Código de Defesa do Consumidor na década de 90, e com a lei que institui o chamado acordo de colaboração premiada bastante presente em nossa história recente, que entrou em vigor em 2013 e foi atualizada em 2019 (citando apenas dois entre tantos exemplos), a LGPD certamente passará por um período de amadurecimento, estudos e aprimoramento, como outras legislações anteriores a ela.

A falta de publicidade sobre a lei não pode gerar insegurança jurídica?

Este é de fato um ponto que merece atenção das autoridades competentes. Considerando a estrutura programática e principiológica da nova lei, é de suma importância que a Autoridade Nacional de Proteção de Dados promova campanhas de apresentação, divulgação e conscientização de todos acerca da importância da LGPD, em um cenário onde dados pessoais são considerados atualmente o principal insumo de inúmeras empresas, entidades e organizações, e como tal devem possuir uma proteção e tutela adequadas, como já se observa em diversas iniciativas realizadas em vários países no mundo.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

O crime do deputado

Autor de “O Direito de Ser Rude”, Max Paskin Neto jamais admitiria qualquer investida contra a liberdade de Silveira em se expressar, mesmo que isso representasse suposta ameaça às instituições.

O pantopolista

A obra de Jorge Bernardi flerta com a ficção científica, mesclando-a com figuras da religião hindu. Júlio Verne é um dos personagens do livro. Assim como Patânjali, que sistematizou o Yoga Sutra.

Um advogado em cena

René Ariel Dotti foi um homem da tribuna. Em sua longa carreira que somou mais de 100 defesas, o jurista batalhou em prol do indivíduo e das garantias fundamentais.