Fotógrafo planeja exposição da genitália feminina (e elas, as mulheres, protestam)

Kazuo Okubo, 59 anos, quer fotografar a genitália feminina. O projeto irá resultar em uma mostra fotográfica em um dos centros culturais da cidade de Brasília, onde ele vive. Há um site disponível para informações (www.kazuookubo.com.br), o patrocínio é do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal e a curadoria é de Rosely Nagawa, que cuidou de exposições como a Retrospectiva Cândido Portinari, no Masp, a de Cristiano Mascaro, em Buenos Aires e a de Luiz Gonzales Palma, na Funarte, no Rio de Janeiro. Foi também responsável por mostras de fotografia na França (Nord Pas de Calais), além de ocupar o cargo de curadora da FNAC Brasil desde 2004.

Tudo isso e não parece suficiente. Okubo deu à exposição nome e cartaz: “Inventário – Tire Essa Vergonha e Vamos Conversar” em foto que exibe uma modelo em calcinhas.

Ele que fotografar as partes íntimas das mulheres e se compromete a esconder seus rostos. Em sua concepção, o sexo feminino fala por si e é dessemelhante em sua semelhança, como de resto qualquer parte do corpo (não, não é tudo igual). Okubo se propõe até a avançar um pouco. Também quer fotografar as “operadas” – homens que se transformaram em mulheres cirurgicamente. Tudo isso e ainda não parece suficiente.

O projeto do fotógrafo Kazuo Okubo: curadoria, apoio de fundação cultural e polêmica com feministas.

CONVOCAÇÃO NO FACEBOOK

A fim de encontrar voluntárias, o fotógrafo decidiu fazer uma convocatória nas redes sociais, em especial no facebook, deixando claro quais eram seus objetivos. Pois as feministas não gostaram. Há um longo e caudaloso manifesto circulando na internet contendo os queixumes de grupos de gênero. Por acaso identificam-se com a esquerda, mas não diferem em nada (nadinha) de integrantes de movimentos conservadores que foram dar à porta do Museu de Arte Moderna (MAM), em 2017, revoltados porque uma criança teria sido motivada (pela mãe) a tocar em um artista nu estirado no chão. Aqui nem ali há risco de incorrer em crime de ato obsceno. Trata-se de museu, não de local público. No caso da exposição de fotos Okubo, ela será ofertada a quem quiser entrar (eventualmente, a quem quiser pagar). A discussão poderia parar por aí, mas há quem queira mais.

Diz o advogado e professor de direito, Arthur Virmond de Lacerda: “a sexualidade e o corpo humano são integrantes da natureza humana e, como tal, perfeitamente naturais. Sujeitam-se aos condicionamentos culturais que, nas sociedades ocidentais e devido à influência cristã, os recusa. Daí a relação (outrora muito acentuada) de nudez e sexualidade com indecorosidade ou imoralidade, associação que ainda rege o entendimento de algumas pessoas do que seja moral e imoral”.

Ora, o que provoca então reação tão desproporcional? Histeria. É o que afirma o desembargador Antônio Carlos Malheiros do Tribunal de Justiça de São Paulo. “Chamar qualquer episódio mais insinuante de ‘pedofilia’ ou de ‘importunação sexual’ virou uma histeria coletiva”.

ASPECTO JURÍDICO

De fato, o entendimento de juristas sobre o o ato obsceno previsto no artigo 233 do código penal é o de que ele incorre em erro por violar o princípio da legalidade (“Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal”, artigo 5º, inciso 39 da constituição). Ou seja, há sanção prevista, mas a prescrição é nebulosa, sujeita a diferentes interpretações. De qualquer forma, se há limites a impor, talvez um aviso à porta. Para Lacerda, nem este seria necessário.

“Moralidade supõe velamento do corpo, gimnofobia, ou recusa da nudez natural. Pudor supõe malícia, malícia supõe censura. A sexualidade não deve ser tabu, nada deve ser objeto de tabu, em termos de conhecimento, nem a arte, de censura: tudo deve ser cognoscível, o que inclui as funções do corpo e a sexualidade; tudo deve poder ser objeto de arte. Quem desgostar do que vir, é livre de manifestar o seu desgosto; quem não se interessar por ver, é livre de não o fazer; quem desejar produzir fotografias que foquem artisticamente o corpo, nu ou desnudo, deve ser livre de empreendê-lo: fotografia, pintura, escultura, é arte e como tal deve ser entendida.”

FLORES DE APELO ERÓTICO. UMA FACETA DO ARTISTA

Em setembro de 2018, o Museu de Serralves, na cidade do Porto, em Portugal, foi palco de protestos provocados por uma exposição do fotógrafo norte-americano Robert Mapplethorpe (1946-1989) – veja abaixo. Os manifestantes empunhavam faixas e cartazes em reação às fotos expostas em ala exclusiva do museu: uma mistura de genitália masculina com sadomasoquismo. O pudor ou o ato obsceno, supostamente, atingiu também a ala dedicada às fotografias de flores, registradas com sensível beleza e apelo erótico por Mapplethorpe. Era uma faceta do artista. Até onde se sabe, a manifestação não gerou reação de organização de homens indignada com a fulanização do corpo masculino.  Ainda assim, provocou o pedido de demissão do diretor do museu, João Ribas, depois que ele foi obrigado a limitar a exposição a maiores de 18 anos. A arte não deve mesmo submeter-se à classificação etária.

LEIA MAIS:

FOTÓGRAFO CONVIDA MULHERES PARA ENSAIO SOBRE VAGINAS E CAUSA POLÊMICA 

INTERAÇÃO DE CRIANÇA COM ARTISTA NU EM MUSEU DE SÃO PAULO PROVOCA PROTESTOS

AS FOTOS PROIBIDAS DE MAPPLETHORPE

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Dura vida de advogado

A mesma Folha de S. Paulo que anunciou, equivocadamente, a morte da monarca da Inglaterra, na manhã de segunda-feira – “Rainha Elizabeth

Um painel para sempre

Há seis meses, a Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil (ACGB/Vida Urbana) inaugurou um painel de azulejos em homenagem aos profissionais da