Notícias

‘Interdito Proibitório’, de Antônio Martelozzo, está à venda nas Livrarias Curitiba

Chegou à rede de lojas das Livrarias Curitiba o livro “O Interdito Proibitório no Direito Brasileiro de Acordo com o Novo CPC”, escrito pelo desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Paraná, Antônio Martelozzo. Lançado pela Editora Bonijuris em outubro de 2018, a obra ganhou atualização e ampliação do autor.

Capa do livro de Antônio Martelozzo: a obra ganhou atualização e ampliação do autor.

Martelozzo analisa, sob o ponto de vista do Código de Processo Civil, em vigor desde 2016, o mecanismo de processo de defesa utilizado para impedir, de maneira rápida e fácil, a ocupação ou invasão de imóveis e propriedades rurais.

O autor dedica-se, especialmente, a detalhar o histórico de evolução da legislação que culminou com a redação do artigo 567 do novo CPC, que aborda justamente o tema em discussão. O livro também foi incluído na revista Ler&Cia, editada pelas Livrarias Curitiba, como indicação do mês.

UMA LONGA CARREIRA

Filho de Luís Martelozzo e Maria Josefa Parra Martelozzo, o ex-desembargador Antônio Martelozzo nasceu em 8 de dezembro de 1943, em Sertanópolis (PR). É bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná e em Letras-Francês pela Universidade Católica do Paraná. Ingressou na magistratura em 1972 como juiz substituto da comarca de Pato Branco. Em 2000 foi nomeado juiz do Tribunal de Alçada e quatro anos depois promovido a desembargador do Tribunal de Justiça do Paraná.

Lecionou Direito Processual e do Trabalho na Universidade Estadual de Maringá e Processo Civil e Estágio Civil na Escola de Magistratura de Maringá. Desde que se aposentou, em 2013, Martelozzo tem se dedicado a escrever artigos em revistas jurídicas especializadas e livros na área do direito. “O Interdito Proibitório no Direito Brasileiro de Acordo com o Novo CPC” é o seu mais recente trabalho como jurista e doutrinador.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Dura vida de advogado

A mesma Folha de S. Paulo que anunciou, equivocadamente, a morte da monarca da Inglaterra, na manhã de segunda-feira – “Rainha Elizabeth