Notícias

ACGB/Vida Urbana irá instalar dez painéis de cultura na região central de Curitiba

Obras artísticas, feitas com azulejos, contêm poemas e pinturas de temáticas regionais; termo de cooperação com a prefeitura irá viabilizar as autorizações de proprietários de imóveis

A Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil (ACGB/Vida Urbana) dá início em outubro à primeira fase de instalação de dez painéis de cultura na região central de Curitiba. O primeiro deles será instalado na esquina das ruas Trajano Reis e 13 de maio, no bairro São Francisco, em um prédio comercial. O painel terá seis metros de largura e dois de altura e trará uma poesia emoldurada pela imagem da gralha-azul – ave símbolo do Paraná (veja foto).

Em reunião com o prefeito Rafael Greca na sede do IPPUC (Instituto de Pesquisa e Urbano de Curitiba, na quinta-feira (12), a ONG firmou termo de cooperação com o município com o propósito de viabilizar as autorizações de proprietários de imóveis para a instalação dos painéis.

Legislação municipal prevê que a instalação de placas e painéis em áreas externas de prédios urbanos, residenciais ou comerciais, deve ser submetida ao Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Curitiba (CPMC).

De acordo com Deisi Fonseca, coordenadora da ACGB/Vida Urbana, a primeira fase do projeto deverá se estender por cerca de seis meses e tem por objetivo principal revitalizar áreas degradadas da cidade. “Não se trata apenas do processo de despichação, até porque a ACGB também recupera calçadas e planta mudas nos canteiros de flores em vários pontos da região central. O que queremos é valorizar o espaço de circulação das pessoas, devolver a elas o que a cidade oferece de bom”.

Os painéis, feitos de azulejos, são desenvolvidos segundo um roteiro pré-estabelecido. Primeiro é selecionada a poesia que deverá ter obrigatoriamente abordagem clara e de fácil entendimento por pessoas de formação e cultura distintas. As pinturas, da mesma forma, retratam de alguma maneira símbolos de conhecimento comum. “Não se trata de pintarmos apenas araucárias e azaleias, mas de retratar figuras que fazem parte da história da cidade, do estado e da região”, diz Deisi Fonseca.

Escolhido o poema e a imagem, tem início a fabricação do painel. De acordo com a coordenadora da ACGB, são utilizados três tipos de azulejo de diferentes tamanhos pintados com tinta de porcelana. A fase seguinte compreende o processo de queima em forno de cerâmica que pode levar até 4 horas a uma temperatura de 700 graus. Em alguns casos, é necessário levar o azulejo ao forno mais de uma vez a fim de obter o resultado desejado.

“Só depois de tudo pronto é que a peça é entregue ao azulejista, que é também um artista, para que seja fixada nas paredes externas dos prédios”, diz Deisi.

Todo o trabalho de instalação de painéis, de recuperação de calçadas e jardinagem é realizado gratuitamente por funcionários da ACGB/Vida Urbana. A sede da ONG, no bairro Rebouças, disponibiliza todo o material necessário, o que inclui pedras de petit-pavé, mudas de plantas, computadores para desenvolvimento dos painéis, azulejos de cerâmica e o forno de alta temperatura. A ACGB/Vida Urbana é mantida por empresas do segmento de administração de condomínios.

Painel com poema de Alvaro Posselt e arte de André de Souza: homenagem ao Bondinho da Rua XV.

Painel com 6 m de comprimento por 2 m de altura que será instalado na Trajano Reis com 13 de Maio.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Dura vida de advogado

A mesma Folha de S. Paulo que anunciou, equivocadamente, a morte da monarca da Inglaterra, na manhã de segunda-feira – “Rainha Elizabeth