A hermenêutica reinaldiana

Reinaldo Azevedo bateu tanto no governo do PT, na era Lula, e outro tanto na era Dilma, que o resultado de suas críticas foi suficiente para preencher dois volumes de “O País dos Petralhas”, livro com o qual até hoje o jornalista da Folha e da Bandnews é associado.  Desde o impeachment da “presidenta”, no entanto, ele voltou seus canhões para a Lava Jato e não há dia que não faça desta o seu filé principal. Ele definitivamente acha que as ações de combate à corrupção que partiram de Curitiba e tomaram conta do país, são, por seus erros, não por seus acertos, a morte anunciada do Estado Democrático de Direito.  Azevedo reforçou sua sanha apocalíptica quando hackers invadiram a contas de Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato e exibiram o seu conteúdo, que obviamente não pode ser tapado com a peneira. O jornalista já demonstrou que é um estudioso do Direito e da Constituição. De tal sorte que parece ter criado uma hermenêutica própria. É em nome dessa hermenêutica que ele julga agora o que lhe parece legítimo ou legal. Em sua última coluna, Azevedo defendeu a substituição da operação Lava Jato por uma estatal anticorrupção – a Unac (Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado) que, de longe, parece tão improvável quanto a URSAL (União das Republicas Socialista da América Latina).  De perto, ambas são cômicas.

Direito romano

Já tem título definitivo o livro do advogado e professor Arthur Virmond de Lacerda que será lançado em versão digital pela Editora Bonijuris: “Herança do Direito Romano”. A obra deve estar disponível para venda em outubro.

Aulas online

Chanceler e dono da Uninter, Wilson Picler leu e aprovou a entrevista das páginas amarelas de ‘Veja’ desta semana com Salman Khan.  Segundo o professor norte-americano, fundador da Khan Academy – 100 milhões de alunos em todo o mundo –, o ensino online veio para ficar.

Fachin errou

Analistas jurídicos consideram que o ministro do STF, Edson Fachin, errou ao revogar decisão de Toffoli que autorizou a PGR a acessar dados da Lava Jato.

Artigo 127

Segundo eles, a constituição da República, em seu artigo 127, estabelece pelo princípio da unicidade e da indivisibilidade que todos os membros do MP estão submetidos a um mesmo órgão. Todos são comandados pelo mesmo chefe. E ele atende, no momento, pelo nome de Augusto Aras.

Empresarial

A pandemia, o vandalismo e o fim do modismo, não necessariamente nessa ordem, levaram a Grow, proprietária das bikes Yellow e dos patinetes Grin, a pedir recuperação judicial. A dívida é de R$ 40 milhões.

@marcusgomesjorn / redacao@bonijuris.com.br

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

A campanha da “livemício”

Alternativa dos candidatos será focar na propaganda eleitoral de rádio e TV, que volta a ganhar importância, e nas redes sociais, transformando a bem sucedida fórmula das “lives” da quarentena em “livemícios”.
>>> Tema estará em debate no VII Congresso Brasileiro de Direito Eleitoral que acontece de 17 a 21 de agosto em edição online.

Os degredados no Brasil

Os crimes sexuais avultavam em número. Remetia-se para o Brasil o condenado de “mor qualidade” que adentrasse mosteiro ou dele retirasse freira. O marido que consentisse no adultério de sua mulher seria degredado com ela.