A derrubada de monumentos, parte 2. Manuel da Borba Gato

II – A estátua de Manuel da Borba Gato.

A estátua colossal de Manuel da Borba Gato, existente em Santo Amaro (SP) enaltece o papel dos bandeirantes como desbravadores, como alargadores do território brasileiro, como fundadores de povoações (depois cidades), como paradigmas de ousadia, persistência, destemor frente ao desconhecido realmente extraordinários e ímpares na história da civilização, como é ímpar o fenômeno das bandeiras, como espírito de chefia, organização, planejamento e sinergia de negros, índios e brancos, notas explicitadas por Cassiano Ricardo em seu indispensável Marcha para Oeste[1].

  Com acrimônia, certa historiografia recente verbera os bandeirantes por haverem cometido violências contra os silvícolas; alguns, com linguajar grosseiro, apodam-nos de bandidos (o que não eram). Seria de esperar que, ao seu tempo, houvessem procedido diferentemente ou como procedemos em 2020 ? Os ataques que desfecharam às reduções jesuíticas integravam-se em estratégia geopolítica, obedeciam a razões de Estado e nem foram tão cruentas quanto os jesuítas mentiram e exageraram, em favor próprio. Na atualidade, ninguém aceita que se reproduzissem os ataques tal como habitualmente se narra que ocorreram e, se vivessem hoje, os próprios bandeirantes provavelmente haver-se-iam diferentemente. Mas eles não vivem no nosso tempo; viveram o seu e dentro do seu é que os devemos compreender e julgar.

  Genro de Fernão Dias Pais, Manuel da Borba Gato acompanhou-o em expedições; o assassínio injustificável (aliás, perdoado em vida) de D. Rodrigo de Castelo Branco (em 1682) macula-lhe a memória; descobriu jazidas áureas no rio das Velhas e em Sabarabuçu; participou da querela dos emboabas (1707 – 1709). Como guarda-mor do Rio das Velhas (em que foi investido em 1700) e juiz ordinário em Minas Gerais, foi zeloso e probo. Não são méritos que justificassem estátua e ainda menos, colossal. Como vulto histórico, foi mal elegido, e excessiva a representação, porém disto para a destruição da estátua intervém o espírito justiceiro de minorias inflamadas, indignadas com a forma como os silvícolas foram alegadamente espezinhados pelos bandeirantes. Não por todos (advirta-se) nem sempre (atente-se nisso), porém por alguns, que atuaram com violência em circunstâncias especialíssimas, violência, aliás, magnificada pelos jesuítas, propagandistas das hostilidades com que os bandeirantes desfizeram-lhes o anseio por constituir república teocrática em que seriam eles os senhores e os índios os seus dóceis súditos.

  É mister ser justo: é imperioso evitar a atitude maniqueísta, sensível apenas ao que se reputa atuação condenável, como se os bandeirantes e as bandeiras e Borba Gato houvessem desempenhado papel essencialmente nefasto na história do Brasil. Violência, há que não a exagerar e situá-la no espírito daquele tempo. Bandeiras, cumpre reconhecer-lhes papel construtivo; bandeirantes, que neles se admirem qualidades.

  Que se mantenha a estátua de Borba Gato, em louvor à sua (secundária, é verdade) ação, porém sobremodo como símbolo de predicados ímpares do tipo de brasileiros de que ele foi um. Que por ela recordemo-nos do valor da iniciativa, da perseverança, do esforço por arrostar dificuldades, do desdém pela vida desidiosa e confortável. Que por ela também nos lembremos de que somos falíveis e errantes; que ela nos anime a sermos melhores, pela imitação das virtudes dos bandeirantes e pela esquivança do que lhes julgamos errado. Que se mantenha a estátua também como lição de época, pela percepção de que décadas atrás os paulistas por ela exaltavam dados valores e dadas atuações, pelos quais já nem todos se entusiasmam, porém que merecem a reflexão inteligente de quem vê a própria estátua como documento histórico, como convite a aquilatarmos o quanto de razão assistia aos paulistas seus promotores. Que se mantenha a estátua por respeito para com os paulistas que a erigiram e que, sem por ela coonestarem todas as facetas de Borba Gato e dos bandeirantes, por ela prestigiaram o que lhes pareceu louvável e civicamente recomendável. Que se mantenha a estátua (menor de meus argumentos) porque, afinal, Borba Gato não foi nocivo ao ponto de justificar-se-lhe a remoção.

Não estou a justificar a violência de séculos transactos, nem a minimizá-la; longe disto, mas é injusto condenar os bandeirantes por haverem sido homens do seu tempo, alheios a alguns de nossos valores, motivo por que indignam os indignados do presente. Que estes, compreensivelmente avessos à violência do passado (a qualquer violência de qualquer passado: matanças, escravidão, marginalização social, ignorância, miséria, privilégios) não cometam outra, a de quem seja incapaz de compreender o passado, embora se afoite em arvorar-se em juiz de quem já não se pode defender.

  Removerem-se estátuas de antigos senhores ou mercadores de escravos, sob a pecha de “racistas” parece-me bastante primário e injusto; quando menos, problemático: a condição de senhores ou de mercadores, em tempo em que sê-lo era normal e geralmente aceitado, não pode servir como critério de desabonação de alguém daquele passado. Pode servir se o mesmo personagem fosse escravista no presente, ao mesmo tempo em que se o homenageado merece estátua ou busto, é porque méritos teve e é forçoso considerá-los. Ninguém se tornou objeto de estátua ou busto por haver sido escravista, como tal, e sim mercê de outras de suas facetas. Não é justo derribarem-se monumentos por causa de critérios que não serviram para erigi-los.

Assim como assim, a remoção de monumentos não pode resultar da ação direta de grupos de exaltados que se arrogam o papel de justiceiros sociais, de juízes do passado e de figuras homenageadas.

Nenhum grupo, anti-racista, racista, anti-facista, facista (seja lá o que signifiquem esses termos, que o abuso semântico deturpou) é legítimo para decidir, em conciliábulos, que monumentos merecem persistir ou não; a nenhum conjunto de militantes, por mais nobremente movido que aparentemente seja, é legítimo deliberar pela remoção de monumentos, e executá-la, à margem dos meios legais e administrativos para tal. Nenhum grupo de militantes sociais, de justiceiros sociais, de anti-escravistas ou seja lá quem for pode, por força própria, suprimir monumentos públicos. Para fazê-lo, há formas legais, ordeiras, administrativas, serenas sem as quais se pratica desordem pública, crime de destruição de patrimônio público (ou privado) e, ao fim e ao cabo, violência que aplaca as turbas furiosas e os arruaceiros e cuja suposta nobreza de ideais, todavia, não justifica em caso nenhum.


[1] Autores como Cassiano Ricardo, Afonso de Taunay, Ermelino de Leão, Francisco Negrão, são tachados despectivamente, de conservadores ou oficiais (pasme); os que assim os nomeiam acusam-nos de intentarem dissimular ou ocultar violências de cuja denúncia os revisionistas (como Júlio José Chiavenato e os marxistas em geral) são porta-vozes. Os revisionistas acusam e denunciam em historiografia depreciativa, fomentadora de ódios e de repulsa pelo passado. Mais destroem do que constroem, ao inverso dos mal chamados conservadores.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Leia também:

Querido diário… 30 de julho de 2020

Se o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, escrever uma biografia, eis um título que calha muito bem: “Divergir é o meu negócio”. Quaquaquá.

EAD: Os “quixotes” chegaram tarde

O primeiro moinho de vento a ser enfrentado pelas entidades de classe da advocacia deveria ser a louca e desenfreada autorização de cursos em todo o território nacional. Calaram-se.