28 de junho de 2020

O direito de ir e vir relativizado

Em 1918, o mundo se viu às voltas com a gripe espanhola e 50 milhões de mortos. Foi um aprendizado. Um século depois, é a vida e a saúde que devem prevalecer.

Viver é preciso

O surto da Covid-19 virou o mundo jurídico de cabeça para baixo. Leis foram criadas do dia para a noite, medidas emergenciais adotadas, o direito de ir e vir foi restringido e o de trabalho modificado. Tudo em nome do direito fundamental à vida e à saúde. Deste não abrimos mão.